sexta-feira, 16 de junho de 2017

Mancha de chocolate no sofá?


- Quem comeu chocolate no sofá? Foste tu? E tu? E tu?
Ninguém. Mas o facto é que a nódoa não estava lá ontem, e hoje está. Ou antes, estava; porque com este truque do algodão embebido em álcool saiu como que por magia!
Mais dicas aqui.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Prescrição?




Na nossa cultura tudo o que está interiormente desequilibrado, se trata com o que o exterior nos oferece; uma depressão? O remédio está na Farmácia. Um desgosto de amor? Encontra-se o refrigério numa sucessão de shots. Infeliz com a vida? Muita televisão. Uma insatisfação que não passa? Apesar do emprego bem remunerado, da família bonita, casa e carro invejáveis? Rumo ao shopping!

Ainda ninguém o tinha dito assim tão claramente, sem recurso a subterfúgios, mas suponho que agora chegamos ao momento em que já se tendo visto de tudo, a publicidade faz dos jogos psicológicos cartaz. E torna a mensagem subliminar slogan, pois já ninguém se espanta ou indigna; antes lhe acham graça, é sinceridade, para variar!

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Taça de Buda #Vegetariana


Mas afinal o que é isto do "Buddha Bowl"? À letra, a Taça de Buda, não é nada mais, nada menos, do que uma taça cheia de coisas boas! 
Requer alguma preparação antecipada, como por exemplo, fazer os germinados, e a penca. De resto é só lavar, cortar e atirar para dentro da taça bendita.
Um festival de sabores impossível de descrever, só mesmo provando. Fica o desafio!

A Taça de Buda 
Ingredientes:
Alface
Tomates cereja
Rabanetes
Batata doce
Pencas com folhas pequeninas
Pepino
Germinados de girassol
Tofu
Mirtillos

Como fazer: 
Escorrer o tofu e cortá-lo aos cubos; temperar com molho de soja e sal marinho, e deixar a marinar cerca de 20 minutos.
Cozer as pencas em água e sal, escorrer, cortar em tiras e saltear em azeite e alho. 
Fritar a batata doce, em azeite suficiente para cobrir a sertã.
Saltear o tofu escorrido, em azeite, virando de todos os lados. 
Cortar a alface em juliana, os tomates cereja ao meio, os rabanetes às rodelas. 
Colocar no fundo da taça a alface, e todos os ingredientes restantes. Sal e um fio de azeite. Decorar com os germinados e mirtillos. 

As variantes para taças de Buda são imensas, eis o diagrama, do The Good Hearted Woman:

E outras propostas no BuzzFeed, porque nada melhor do que o calor para comer estas taças cheias de coisas boas, e frescas!

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Os animais fofinhos💓 das redes sociais




À primeira vista, toda a gente gosta de vídeos fofinhos; animais pequeninos a fazer acrobacias, ou mímicas, ou a dançar, ou a embalar um bebé, ou seja lá o que for, são irresistíveis! Nas redes sociais são campeões em likes, corações e partilhas, e é precisamente para isso que são feitos. 
Todavia, se pensarmos bem, a maioria desses animais estão a ser sujeitos a posturas ou situações que não lhes são naturais, e que lhes exigem um esforço tremendo. Quer dizer, um cão a caminhar em duas patas, vestido como gente, e uma mochila às costas é completamente anti-natural. Mas as pessoas riem-se, acham montes de piada. E gostam e partilham. Só que entretanto, aquele animal foi sujeito a um treino coercivo que incluía pancada ( também circula por aí este vídeo), para que uns míseros segundos de filme dessem protagonismo ao autor. 
Ou então, cachorrinhos que mal abriram os olhos, são manuseados como se fossem bonecos, sentados como gente grande, a dizer adeus com as patinhas, quando tudo o que querem, e precisam, é de dormir enroladinhos na mãe. 
Mas, novamente, as pessoas não pensam para lá da fofurice. E quando eu comentei, numa dessas partilhas, que achava uma tortura o que estavam a fazer àquele cachorrinho, uma miúda respondeu-me que ninguém estava a fazer-lhe mal! Porque mal, é bater, não é sujeitar outro ser a caprichos estapafúrdios, obrigando o cão recém-nascido a uma postura violenta, por ser desadequada à sua idade e morfologia. 

Animais fofinhos comportam-se espontaneamente, e nessas ocasiões, se der para fazer um vídeo, óptimo! 
O meu vídeo não é fofinho, é descaradamente publicidade enganosa, mas foi o que se pôde arranjar!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Dia Mundial do Ambiente - e eu não quero ir para Marte!

 
Via

Hoje é Dia Mundial do Ambiente, e para celebrar a data ficamos a saber que se todas as pessoas do mundo usassem os recursos do planeta como os portugueses, eles acabavam hoje. Calha que nem ginjas, para festejar o dia! 
Talvez noutros países, o consumo dos recursos seja ainda mais acentuado. Mas isso realmente não interessa nem poderá servir de desculpa; consumir o que o planeta produz num ano antes deste terminar, é consumo exacerbado e incomportável, para a Terra. E como um ecologista afirmou num documentário que vi há alguns anos, a Natureza é sábia, quando se depara com algum problema, ela trata de o solucionar. É bom de ver, que o problema aqui somos nós, a raça humana.

O Duarte dizia-me ontem que daqui a alguns anos, será possível comprar um bilhete (de 240.000€!) para ir a Marte, em turismo. Fez-me lembrar aquele outro projecto, de enviar um grupo para o mesmo planeta, só com bilhete de ida, havendo desde já há alguns anos cerca de 100.000 candidatos. O objectivo é instalar uma colónia a fim de preparar o planeta para receber mais terráqueos.
São alternativas, dizem uns, são diversões tresloucadas, digo eu. Quando temos aqui o planeta perfeito para nós, idealizamos colonizar planetas hostis à vida humana, sendo-nos esse esquema servido como sonho maior da humanidade! 

Por que não há-de ser o projecto, tratar cuidadosamente do nosso planeta? Com a responsabilidade de quem sabe que outro planeta igual a este não existe, como plano B. Parece-me muito mais simples, mais saudável, menos dispendioso e menos arriscado. 
Mas não, querem-nos impingir a ideia de que a conquista do espaço nos está destinada, e que é por esse caminho que devemos ir. E que entretanto, nos comportemos tão bem como até agora, alegres consumidores, inconscientes das consequências de um estilo de vida predatório, que enriquece escandalosamente lobbies, corporações e multinacionais. 

Hoje é o Dia Mundial do Ambiente, e embora cada vez mais pessoas mudem a forma de estar neste planeta, sintonizando-se com a natureza e respeitando o planeta como lar único e perfeito, ainda não chega. Temos que o fazer massivamente. E agora. 

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Dia Mundial da Criança - Até quando?

 
Via

Aos meus filhos, custa-lhes acreditar quando digo que a infância é a melhor fase do ser humano. Apesar de reconhecerem que tiveram uma infância feliz e privilegiada. Ainda assim, pensam que em adultos poderão comprar o modelo de computador que realmente querem, comer a quantidade de comida que lhes apetecer, ingerir doces sem controlo parental, não ir à escola, não ter trabalhos escolares, etc. E que tudo isso lhes prova que apesar da infância feliz, a idade adulta será ainda melhor. 

Porém, quando se trata de comemorar o Dia Mundial da Criança não deixam de fazer alertas de véspera, para que eu tenha tempo de lhes preparar algum mimo. É que mesmo não sendo já crianças, e disso tendo consciência, fazem gosto em manter as benesses dessa idade. Riem-se e dão-me justificações esfarrapadas, como "eu ainda sou muito neném!", e eu rio com eles, encantada por os ter ainda assim, a modos que "pequenos", mais um pouco. 

É que a infância passa rápido. Se a vida são três dias, a infância, cada vez mais encurtada, caberá em cinco minutos. E por isso temos que aproveitar os momentos, todos os dias. 

Para começar bem o dia, reforcei o pequeno-almoço de hoje que contemplou, leite, batido de frutas, ovos mexidos, torradas de pão com cereais, compotas, croissants com chocolate caseiros, e granola. Uma mesa bem composta, para pequeno-almoço, lanche ou refeições principais, poderá não ser nada de fantástico, mas é diferente e melhor, já cheira a festa. 
E como nós bem sabemos, não há como os "miúdos" para desfrutarem destes pequenos mimos!

terça-feira, 30 de maio de 2017

"Não fomos projetados para comer carne"

Mestre De Rose

A qualidade do vídeo é péssima, porém o conteúdo é excelente, de forma que não resisto a partilhar. 
Para quem tem interesse em mudar os hábitos alimentares, e se preocupa com a saúde e bem-estar. 

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Caril de Coco Fácil #Vegetariana


De facto, é uma receita fácil, com os ingredientes da época, e muito boa! Engraçado como mesmo não gostando de coco, a Letícia devorou o prato dela...


Caril de Coco Fácil*

Ingredientes:
     1 colher de sopa de azeite
     1 cebola pequena picada
     4 dentes de alho picados
     1 colher de sopa de gengibre ralado fresco
     1/2 copo de floretes de brócolos
     1/2 xícara de cenoura cortada em cubos
     1/4 xícara de tomate em cubos
     1/3 xícara de ervilhas de quebrar (partidas aos bocados)
     1 colher de sopa de caril em pó
     Pitada de pimenta preta
     2 Latas de leite de coco
     1 chávena(240 ml) de caldo de vegetais
     Sal marinho e pimenta preta a gosto


 Quinoa de Coco
     1 lata de leite de coco
     1 chávena de quinoa branca


Como fazer:
Comece por lavar cuidadosamente a quinoa em água corrente, utilizando um coador de malha fina. Coloque a quinoa numa caçarola em fogo médio a torrar por 3 minutos. Adicione uma lata de leite de leite de coco e 1/2 copo de água. Deixe a ferver, reduza a temperatura, tape e deixe cozinhar cerca de 15 minutos ou até que a quinoa fique leve, fofa e o líquido absorvido. Reserve até servir.

   
Aqueça uma panela grande em lume médio e adicione uma colher de sopa de óleo de coco. Adicione a cebola, o alho, o gengibre, a cenoura, o tomate, os brócolos, uma pitada de sal e pimenta, e mexa.  
Cozinhe, mexendo delicadamente com frequência, até amolecer - cerca de 5 minutos.
   
Tempere com o caril em pó, pimenta preta, e junte o caldo de vegetais e o leite de coco; rectifique o sal e mexa.  
Deixe ferver, e em seguida reduza o lume ligeiramente, continuando a cozinhar cerca de 10 a 15 minutos.
    
Adicione as ervilhas de quebrar nos últimos 5 minutos para que não cozam demais.    
Prove e ajuste os temperos conforme necessário.
    
Sirva com a quinoa de coco e decore com sumo de limão. 

Outra alternativa é acompanhar com arroz integral e decorar com ervas aromáticas, como mangericão ou coentros. 

* Receita adaptada do Minimalist Baker

quarta-feira, 24 de maio de 2017

É para isto que os pais criam os filhos?

Via

Os excessos das Queimas das Fitas são sobejamente conhecidos por todos, mas penso que este ano a parada subiu mais ainda. Não apenas pela violação de uma jovem num autocarro, com assistência e filmagem, como pela divulgação do vídeo de outra jovem seminua, filmada sem saber. Mas há mais. Muito mais, para lá das ruas sujas de latas de cerveja e garrafas de outras bebidas alcoólicas.

O artigo da jornalista Laurinda Alves esclarece sobre mais práticas, consentidas é certo, durante a semana da Festa dos estudantes. O que se passa nos recintos, agora chamados Queimódromos ( equivalente em importância ao Sambódramo!), alcançou um nível para lá do despudor, o que ali se faz e promove é a devassidão nua e crua. 

Duvido que se os pais dos estudantes, ou mais exactamente das estudantes, soubessem o que acontece no queimódromo, as deixassem participar destes festejos. Mas não sabem, nem sequer fazem ideia da quantidade de álcool que os filhos bebem, pensando que é somente "beber um bocado a mais"! 
E essa é, provavelmente, a razão para a jovem violada não querer apresentar queixa; como explicar à família o estado de inconsciência, a ponto de ser abusada sexualmente, e nem ter notado?  
Lamento que a rapariga não tenha coragem para assumir a violação, e que permita ao violador ficar impune. E que consinta aos observadores passarem incólumes pelos pingos da chuva. Lamento por ela, que se deixe refém desta gente, que sabem quem são, e quem ela é.
Porque ela continua a ser vítima, e tem direito a justiça. Seria isso que os pais lhe diriam, ou indignados, a acusariam de se pôr a jeito?

Acredito que a maioria dos pais criam os filhos com grandes dificuldades, seja de que ordem for. Acredito que muitos estarão na Universidade com grande esforço, ou até sacrifício dos pais. E é para isto que eles lá estão? Para se "divertirem" sem regras, sem valores morais, e sem pudor? 
Os rapazes, perpetuando o papel de predadores, abusam, e as raparigas consentem em ser abusadas, crendo-se talvez, livres e modernas.

Os estudantes universitários já não são crianças a quem tudo se desculpa e justifica; são jovens, adultos, quase a entrar na mercado de trabalho. 
O meu choque e espanto só têm perguntas: - Que tipo de profissionais vão sair daqui? Que professores, engenheiros, médicos, advogados, enfermeiros, técnicos disto e daquilo? Que tipo de pessoas são estas? De que fibras são feitas? 
Aonde vai isto parar? Haverá um limite?
 

segunda-feira, 22 de maio de 2017

As Abelhas Solitárias

O meu gosto por abelhas tornou-se fascínio quando há alguns anos comecei a notar uma grande afluência deste insecto maravilhoso, no nosso jardim. O comportamento delas era muito misterioso, dedicavam-se a recortar pequenos pedaços de folha da glicínia ( pequenos mas maiores do que elas!), que transportavam, sabe Deus para onde, repetidamente. E esta actividade durava todo o dia, começando na Primavera e terminando no final do Verão.




De um ano para o outro, comecei a notar que as abelhas já não voavam para longe, mas continuando na intensa azáfama do corte de folhas, as carregavam através de pequenos buracos na terra, para dentro das diversas floreiras que temos no terraço.



Curiosa, tentei informar-me junto de apicultores, contactei inclusivamente uma associação, mas sempre sem sucesso; incrédulos, respondiam-me que eu estaria certamente a confundir abelhas com vespas. Ignoravam que cresci na aldeia e sei perfeitamente distinguir entre umas e outras.

Finalmente, encontrei a resposta através do Pinterest, onde umas casinhas muito simpáticas eram anunciadas. 
Pois então, estas abelhas que não vivem em colmeia, mas sozinhas debaixo da terra, são as Abelhas Solitárias. Não produzem mel, porém são grandes polinizadoras; elas despendem mais tempo de flor em flor, acumulando mais pólen nos seus corpos. Elas também contactam duas vezes mais do que as abelhas melífluas, com o estigma.
Como é conhecido, o número de abelhas tem vindo a decrescer nos últimos anos, de forma dramática, então o papel das abelhas solitárias adquire ainda maior importância. 

Recebe-las nos nossos jardins, proporcionando-lhes guarida segura é o mínimo que podemos fazer. De forma que este ano, resolvi incrementar a oferta de alojamento, e adquiri o chamado "Bee hotel". Ignoro se já estará a ser frequentado, talvez seja organizado demais... aguardemos.


E quem mais compartilha desta minha paixão? 


O Nico, outro grande observador das abelhas solitárias, que ao contrário da KitKat, ainda não percebeu que mais vale deixá-las sossegadas! 
Para mim, o zumbido das abelhas é um som magnífico, de forma que tê-las como habitantes regulares do nosso jardim é uma alegria que aguardo ansiosa, todas as Primaveras. E novamente elas chegaram!

terça-feira, 16 de maio de 2017

- Tchau, Shin Chan!




A polémica du jour: a série japonesa, Shin Chan, transmitida pelo canal Panda Biggs vai mudar de horário, para depois das 22.30, em consequência de uma cena considerada pornográfica e pedófila. Detalhes aqui. 
A série tem imensos fãs, que apreciam a personagem principal exactamente por ser disparatada e divertida. Os desenhos animados são transmitidos há muitos anos, e nunca algo de este tipo lhe foi apontado. Cá em casa os meus filhos nunca lhe dedicaram grande atenção (felizmente), e do pouco que eu vi, confesso que para além de a considerar pouco educativa, nunca vi nada comparável às actuais acusações. 

Acompanhar o que os filhos vêem de forma a permitir que assistam ao que consideramos adequado, torna-se tarefa impossível, dado que os pais não podem sentar-se no sofá a ver toda a televisão que os filhos vêem.
Porém, uma amostra analisada pelos pais, torna-se claramente insuficiente,  pois a qualquer altura, uma série que "aprovamos" exibe uma cena totalmente estapafúrdia, que obviamente condenamos.

Não são os imensos programas com conteúdos desadequados, violentos e de cariz sexual, transmitidos em horário nobre, sem a devida sinalização, que servem de justificação para cenas destas incluídas nos anime. Esses também estão a ser erradamente transmitidos, seja devido ao canal, ou horário. 
Não se trata de educar os filhos em redomas, porque isto é exactamente o contrário, atirá-los às feras.  Aceitar estas situações banalizando-as, é expor as crianças de forma inconsequente, ensinando-as a sujeitarem-se ao perigo, como algo normal. E isso é o que de facto me assombra, aqueles que deveriam estar vigilantes e proteger as crianças, já estão de tal forma comprometidos que simplesmente não vêem as implicações, nem consequências. E para eles, tudo isto não passa de um grande exagero!

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Ansiedade e Depressão - Doenças em alta?

Esta é uma daquelas histórias verídicas, o que a torna realmente interessante, e que recordo frequentemente. Aconteceu há alguns anos atrás, no início da recessão; depois de um congresso, uma certa delegada médica vangloriava-se da medicação anti-depressiva ter batidos todos os recordes de venda em Portugal e de liderar as mesmas a nível europeu. Passados um par de anos, essa mesma pessoa, que aparentemente tinha tudo para ser feliz, estava a tomar essa mesma medicação. Pois é, o Karma...

O facto é que um estudo realizado em 2016, por José Caldas de Almeida, presidente do Lisbon Institute of Global Mental Health, apresentou a evolução da saúde mental dos portugueses desde 2008 até 2015, concluindo que as doenças mentais ( depressão e ansiedade) atingem um terço da população, tendo passado de 19,8% em 2008 para 31,2% em 2015. Sendo que as mulheres são as mais afectadas por distúrbios de ansiedade, numa proporção de duas para um. 

As causas destas doenças podem ser psico-sociais, mas também biológicas e hormonais, no caso das mulheres.

De acordo com o psiquiatra Ricardo Reis Marques, o tratamento deve passar pela regularização do sono, prática de exercício físico, e meditação. Se for realmente grave, aconselha-se a "psicoterapia cognitiva comportamental", ou mindfulness. Apenas em último caso, falhando todos os outros, se recorre à medicação. 
 in revista Activa, Maio 2017 

Creio que se estas indicações fossem comuns na classe médica e assim aplicadas, a venda de fármacos não seria motivo de orgulho, para quem os vende. A saúde não deveria ser um negócio. E os doentes seriam tratados com responsabilidade, estando também implicados na sua própria cura.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Pense bem nas lutas que quer travar!


Contou que "nesse tempo os jovens tinham simpatia por tudo o que era suprimido pelo regime". Ser próximo da Igreja era uma espécie de protesto?
Sim, era um dos aspectos. O ateísmo era a religião do Estado, forçada pela violência. Por outro lado, havia uma verdadeira sede de profundidade espiritual e um desejo de beleza num socialismo cinzento. 
 Tomas Halík, teólogo católico, ordenado na clandestinidade, in revista Sábado, nr 626


Fez-me lembrar as lutas travadas na educação dos filhos, em questões que se engrandecem apenas porque são interditas. 
Alias, faz-me pensar naqueles adultos, a quem a palavra "obrigatoriedade" ou "interdição" faz despertar uma faceta revolucionária desconhecida. Escamoteiam a lógica, o bem que daí há-de vir, ou qualquer outro aspecto positivo, tudo porque a única resposta à "obrigatoriedade" ou "proibição" só poderá ser a insurreição.
E eu pergunto-me: - Demasiadas proibições na infância? Na adolescência? Arbitrariedade nessas proibições? 

Há lutas que não merecem ser travadas, sendo caprichos de quem se pensa autoridade, como acontece a muitos pais; "Pais impertinentes criam filhos desobedientes".
E outras que não merecem ser empreendidas, sendo apenas ajustes de contas pelo passado. 

 

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Dia da Mãe de Coração Cheio

O Sr. Buda não se importará de ter o pequeno quadro à sua frente, afinal é 💞
Há alguns anos atrás, estávamos a ver um telejornal ( ou parte) quando passou uma pequena reportagem sobre o Dia da Mãe, que seria celebrado nos dias seguintes. Dentre algumas mães que foram entrevistadas, uma delas respondeu, a propósito do presente prefeito, que esperava receber um ramo de flores e um perfume, ou uma jóia. Os meus filhos espantaram-se; acharam aquela mãe muito materialista, porque só desejava presentes comprados, e nem um sequer feito pelos filhos. 

É verdade que o consumismo em certos dias ganha fôlego, e o Dia da Mãe é mais um evento a juntar-se ao rol. Antecipadamente as montras são decoradas em sua função, a publicidade surge nas revistas e televisões, convencendo as pessoas que os filhos mais gratos, mais queridos e mais generosos são aqueles que mais gastam no presente. 

Francamente, nunca gostei muito dos presentes que os meus filhos me traziam da escola. Não passavam de trabalhos nos quais eles tinham participado; mas não estava ali a essência deles. Não se tinham lembrado do tema, não os tinham executados sozinhos. Agradecia contente, mas cá entre nós, nunca os apreciei de facto. 


Gosto destes feitos em casa, no quarto às escondidas, de inspiração própria e únicos. Surpreendem-me sempre e realmente não poderia desejar outros. 
Como o talento do Duarte para a pintura ou outros trabalhos manuais é reduzido, ficou-se por uma rosa, que me ofereceu dias antes, com receio de se esquecer do dia, disse-me. E ainda se gabou à irmã, que tinha sido o primeiro a oferecer-me o presente do dia da Mãe!

Passamos o dia muito bem, visitando o Green Weekend em Paredes de Coura, e fazendo um piquenique vegano improvisado, do qual toda a família participou. Paredes de Coura é uma pequena localidade tranquila e encantadora e o dia estava lindo. São estes os meus presentes preferidos.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Bolo de Cenoura com Cobertura de Chocolate #semaçúcar


O melhor bolo de Cenoura que já comemos. As tâmaras, em substituição do açúcar, alteram completamente a textura do bolo, tornando-o leve e fofo. Além disso, de confecção muito prática e rápida. 
Muito bom!
 

terça-feira, 2 de maio de 2017

Sucesso na Educação?

via Kindergarten: Holding Hands and Sticking Together

"Por vezes, as mentes mais brilhantes e inteligentes não brilham nos testes estandardizados porque eles não têm mentes estandardizadas. "

Um caminho único na Educação, obrigatório a todos, é injusto e desadequado. E a cada nova leva de gerações, isso se torna mais evidente e aflitivo.
Se os pais educam os filhos de forma diferente, porque reconhecem as suas particularidades e os respeitam como indivíduos únicos, por que não há-de a Escola fazer o mesmo? 
Por que dá trabalho? Por que vai revolucionar o sistema? Parece-me que é a única alternativa, vai ter que ser feito, mais tarde ou mais cedo, sendo que hoje já seria tarde. 
Este desfasamento entre a Escola do Séc.XIX, os professores do Séc.XX e os alunos do Séc.XXI está destinado a convergir. 
Pena é que, neste processo de negação, tantas gerações estejam a ser trucidadas pela obsoleta engrenagem, que deveria ter antes um papel absolutamente inverso.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

A Baleia Azul e Por 13 Razões

Via

Nas férias de Páscoa a Letícia leu diversos livros, dentre os quais " Por 13 Razões", e depois disso viu a série. Quando as aulas começaram, ficou bastante espantada por todas as colegas conhecerem, e terem visto a mesma série; segundo ela, foi promovida por Selena Gomez, ao publicar fotos no Instagram com os actores da mesma, tornando-a instantaneamente em sucesso global.

A série trata da história do suicídio de uma adolescente, que antes grava em cassetes as razões pelas quais desiste de viver; as 13 razões, são basicamente pessoas que a maltrataram. Essas cassetes divulgarão nomes responsáveis por actos mais ou menos criminosos, e por isso muitos têm necessidade de bloquear a difusão dos conteúdos.

Quando  perguntei à minha filha se lhe parecia que a história promovia o suicídio, ela respondeu-me que dependia de quem lesse, e como quisesse interpretar; podia levar a pensar que a saída para estes problemas só poderia ser a morte, ou poderia levar a decidir ultrapassar os problemas, e viver. 

Entretanto, surge o desafio da Baleia Azul, que consiste numa série de 50 níveis, que os jogadores têm que fazer, e cada desafio mais malvado ou louco do que o outro, que culmina com o suicídio do jogador. Este jogo ainda não fez vitimas em Portugal, mas já fez várias no Brasil. 

Segundo a Letícia, a série, juntamente com o Desafio da Baleia Azul estão a lançar tendência entre os adolescentes. Infelizmente, a "moda" é muito perigosa, sobretudo numa idade em que os pequenos problemas adquirem proporções gigantescas, e a saída mais fácil é quase sempre a opção; escolher a morte, em vez de escolher ultrapassar os problemas.

Infelizmente, todo este cenário revela a conjuntura actual; o acesso de jovens demasiado imaturos, a informação vinda de fonte desconhecida, com propósitos dementes. Reflecte ainda uma realidade familiar que prima pela ausência de vínculos fortes, onde os jovens se sintam aconchegados e orientados. Onde partilhar inquietações seja seguro, acreditando que na família estão os aliados que os ajudam a ultrapassar os problemas.

Em idades reconhecidas pela Psicologia como complicadas, em que os jovens procuram privacidade e afastamento da família, conjuga-se o crescente respeito pela parte dos pais à privacidade reclamada dos filhos. Porém, estes já não ficam sozinhos dentro do armário; estão permanentemente ligados ao exterior. Reféns de sedutoras influências das quais os pais nem sonham.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Empatia e Informação

 
Via


Não há pior dor do que a de perder um filho. Ninguém contestará a frase, vulgarmente repetida, porém, nem todos os que a reptem são capazes de sentir empatia pela dor de quem perde. A empatia é relativa a si mesmo, imaginando-se a perder um filho. É à conclusão que chego, depois de ler os mais repetidos comentários, em essência, nos jornais que divulgaram a notícia da jovem que morreu com sarampo.

Acicatados pelos títulos dos jornais, com "Jovem não era vacinada", "Pais são anti-vacinas", saltam pisando quem já está de rastos, ignorando toda a história, a verdadeira versão, que certamente poucos sabem na sua totalidade.
Acredito que os pais querem o melhor para os seus filhos, e que é por isso que fazem, não sendo todavia, sempre o objectivo alcançado.

Não sou contra a vacinação, vacinei os meus filhos, contudo tenho reservas; questiono a utilidade e eficiência de determinadas vacinas, que antes foram promovidas como absolutamente necessárias, como por exemplo a da gripe H1N1. A da gripe comum então, nem vou mencionar! 
Como consumidores, temos direito à informação sobre as vacinas; como se fazem, como foram testadas, em quê ou quem, durante quanto tempo, e quais os resultados. E deve haver tempo para tudo isto, antes de colocarem as vacinas no mercado, e exortarem as pessoas a tomá-las. 

A Ciência não é um vilão ( longe disso), mas também não é o Deus que muitos querem dela fazer; nem tudo o que vem da ciência deve ser aceite como dogma, mas antes pertinentemente questionado.

O refrão "epidemia de sarampo" é repetido sistematicamente há semanas, pelos meios de comunicação; e este infeliz episódio, está a ser aproveitado para promover a vacinação através do medo. Não sendo a vacinação obrigatória, mas aconselhada, quer-me parecer que tudo isto não passa de uma campanha para mudar a situação.


quarta-feira, 19 de abril de 2017

Resgates do Feminino

 
Via

Essa visão feminina da guerra estava silenciada e esquecida. Quis fazer do seu livro uma forma de resgate, uma reposição da verdade histórica?
Durante 40 anos, tudo isto ficou na sombra. Depois da guerra, os homens assumiram os louros da vitória. Ou seja, roubaram-na às mulheres que sofreram tanto ou mais do que eles. Ao regressar à vida civil, elas encontraram uma sociedade onde havia poucos homens. Os ex-soldados eram vistos como heróis; mas as mulheres que combateram, não. Olhavam-nas com desconfiança. Chamavam-lhes coisas feias. Por isso, muitas delas ocultavam o facto de terem participado na guerra e até escondiam as medalhas, para poderem ter hipótese de casar. Muitas fizeram-no por uma questão de sobrevivência. Quando por fim me lancei à tarefa, nos anos 80, muitas delas disseram-me: "Porque demoraste tanto a vir ter comigo?"
                               Svetlana Alexievich, Nobrel da Literatura, in A Revista do Expresso, 11 Março 201

O caminho faz-se no presente, para diante, mas há também que ir lá atrás, limpar o pó, e desenterrando injustiças, repor verdades. 

 

terça-feira, 11 de abril de 2017

Viagens de Finalistas - A melhor semana da tua vida!

Já não se aguenta ler ou ouvir mais notícias relacionadas com a viagem dos finalistas. Aconteceu há dois ou três dias mas o pouco tempo tem sido intenso. E contudo, aqui estou eu, a discorrer sobre o assunto.
A maioria condena o comportamento/vandalismo dos estudantes, porém ainda há quem os compreenda e defenda ( a começar por alguns pais), e ainda quem questione a legitimidade do hotel que os acolheu. 
Em tudo isto, parece-me lógico que a verdade seja apurada; não vimos grandes estragos, mas também não vimos o hotel todo, apenas um quarto, creio eu. Quem de direito estará a fazer essa avaliação. 

O que me apraz dizer relativamente a esta lamentável história, é sucintamente o seguinte: Turismo alcoólico nunca dará bons resultados!

Todos sabem que os finalistas não vão para "destinos de praia". Há anos que vemos notícias à cerca destas viagens; dos desvarios, do consumo exagerado de álcool, de droga, e de acidentes dramáticos. Porém, ano após ano os finalistas revezam-se, e parece que agora também já vão alunos do 9º ano. O que se segue? Os finalistas do 2º ciclo? 
Estes miúdos não têm maturidade para fazer viagens sozinhos, muito menos quando a alcoolemia é o destino, e quando se concentram em grande número. 
Que pais, não têm disto a noção? A não ser que cada um destes pais diga para si mesmo que "o meu filho, não!". Apenas os outros se embebedam, e fazem asneiras. 

Aceitar que a melhor semana da vida é passá-la alcoolizado, alienado, e pagar para que os filhos possam viver essa experiência "única" ( para muitos pais a grande custo), é o primeiro erro. 
Aos miúdos "desculpa-se" com a idade, estão na idade da parvalheira, já se sabe; e aos pais, desculpa-se como? 

É uma lástima que a viagem de finalistas não seja aproveitada para fazer uma verdadeira viagem. Para a maioria, será a primeira saída de Portugal, e que desperdício então, não aproveitar para conhecer cidades histórias, monumentos protegidos pela Unesco, museus de gabarito, e obras que apenas conhecem dos livros e televisão. 

Uma viagem deste tipo mereceria todos os sacrifícios dos pais, seria louvável até. Por outro lado, suspeito que estas viagens não se realizam por uma simples razão - falta de interessados! 
Que pena.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Papas de Aveia com Cacau #Vegetariana

Decorei com muesli desta vez!

Não costumo comprar livros de Culinária, tenho uma meia dúzia deles, mas quase todos oferecidos; porém, fiz questão de comprar " A cozinha vegetariana - para quem quer ser saudável", da Gabriela Oliveira.
É o livro mais completo, melhor organizado, com mais informação ( relativamente à composição dos alimentos e quantidades necessárias na alimentação), e uma excelente representação de receitas ( desde bebidas, germinados, entradas, pratos principais, e sobremesas), simples e deliciosas, que já folheei.  
Testei várias receitas, todas com muito sucesso. Nele encontrei formas irresistíveis de oferecer fruta à Letícia; devora estas papas de aveia com enorme satisfação!

É de um livro que falo sempre com entusiasmo, e o único que aconselho. Feito por uma vegetariana, com três filhos pequenos ( que também seguem esta alimentação), que sabe com propriedade, e vive o vegetarianismo com convicção. 
Partilharei apenas esta receita simples, mas muito nutritiva e saborosa, espero que sirva de incentivo e queiram adquirir o livro. ( A propósito, no Jumbo/Auchan está a um óptimo preço-de editor)


Papas de Aveia com Cacau
Ingredientes:
1/2 chávena de flocos de aveia
1 1/2 chávena de leite vegetal
1 colher de café de canela em pó
1 colher de sobremesa de cacau ou alfarroba
1 pedra de sala marinho
1 banana madura ou pêra madura
1 colher de chá de mix proteico ( opcional)
fruta fresca para servir.

Como fazer:
Demolhe a aveia em água cerca de 30 minutos e escorra.
Coloque numa caçarola os flocos de aveia, o leite, a canela, o cacau e uma pedra de sal. Misture bem e junte a banana picada ou esmagada. Leve ao lume por cerca de 5 minutos ou até engrossar. Adicione o mix proteico e misture bem. Sirva morno com fruta fresca a gosto.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

14 Propostas para as férias de Páscoa

Primeiro dia de férias de Páscoa! Hoje é apenas para dormir até mais tarde e preguiçar, sentir que a escola acabou e as férias começaram. Porém, depressa o tempo livre se revela insatisfatório, se não houver, pelo menos, propostas do que fazer nos próximos dias. Todos precisamos de motivação.

Propostas para as férias de Páscoa

1. Fazer um piquenique ( se o tempo permitir, o primeiro do ano).
2. Passar pela Biblioteca, para requisitar livros.
3. Ir à Livraria, para comprar pelo menos um livro.
4. Fazer algum doce de Páscoa. Para comer ou oferecer. Amêndoas caramelizadas, aqui.
5. Visitar um Museu ( nem precisa de ser longe, muitas vezes não conhecemos aqueles próximos de nós).
5. Fazer uma viagem de comboio ( as nossas preferidas!).
6. Ir ao Cinema. 
7. Fazer Arte de Páscoa. Pintar uma tela, fazer um centro de mesa, etc. para decorar a casa.
8. Convidar amigos para um lanche; pequeninos em casa, maiores podem encontrar-se numa Pastelaria.
9. Fazer um passeio pela Natureza, num Parque, num bosque, pela praia. 
10. Andar de bicicleta.
11. Visitar uma exposição de arte, e conhecer um artista ( informar-se sobre ele).
12. Assistir a um concerto de música.  
13. Pintar ovos.
14. Participar de uma actividade Pascal*. Visitar uma igreja, ver uma procissão, etc. Afinal estas férias têm uma origem, convém que a conheçamos. 

E boas férias! 

* Programação da Semana Santa em Braga

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Filhos com asma?




No fim-de-semana fiz uma caminhada com a Letícia, e a determinada altura do percurso uma rajada de vento trouxe uma nuvem de pólen que nos envolveu e seguiu. Pensei imediatamente que se o Duarte estivesse ali, ficaria preocupada, apesar de nos últimos anos as crises terem acalmado. Porém, há tantos pais que sentem esta preocupação, sobretudo com a entrada da Primavera!

Em Portugal há cerca de um milhão de pessoas que sofre de asma. As crises podem ser desencadeadas por ácaros, pólen das flores, árvores e arbustos, pêlo de animal, determinados medicamentos, e stress. Outros factores agravam a asma, como o tabaco, a poluição, perturbações emocionais, mudanças bruscas de temperatura, ou infecções respiratórias.

Segundo a investigadora Sílvia Rocha, mãe de uma menina asmática, e autora do livro "Descomplicar a Asma", esta doença não implica nenhuma limitação física, quem quiser, pode até ser campeão olímpico. 
No caso da filha, que sofre de asma provocada pelos ácaros, "a casa deve estar sempre muito limpa, arejada, sem muitos elementos decorativos que permitam a acumulação do pó, e sem tecidos ou carpetes". Sem livros, nem peluches no quarto, vale à pequena o truque da mãe, que coloca o peluche no congelador durante o dia, para poder dormir com ele à noite.
 
Diz a investigadora que é importante saber qual o tipo de asma de que se sofre. Sugere que os pais tenham um caderno onde façam anotações, para mostrar ao médico, e para o próprio doente se informar. Sugere uma alimentação  rica em oxidantes, frutos e vegetais frescos,  com vitaminas C, E e b-caroteno. 
Quanto ao resto, diz "é levar uma vida saudável, ao ar livre, e ser feliz".

Fontes:
Revista do Expresso 10/Setembro 2016
CM Jornal
 

quinta-feira, 30 de março de 2017

Reciclar Roupa

 
Via

Há uns anos, quando surgiram as famosas lojas dos chineses, muitas pessoas começaram a comprar aí roupa e calçado, dizendo que os baixos preços compensavam a baixa-qualidade; que não importava que a roupa se degradasse após algumas lavagens: deita-se fora, e compra-se outra. Também se variava! 
Algum tempo depois, notícias sobre alergias que estas roupas causavam, e más experiências vividas na pele, literalmente, derrotaram esta tendência.
Porém, as grandes cadeias de vestuário também oferecem roupa muita barata ( que, a propósito, também se degrada rapidamente); aliada a uma moda sempre muito actual, com uma grande rotação por estação, oferecendo pelo meio promoções fora de época. Enfim, um pacote irresistível! Que nem sequer foi beliscado pela notícia de um grupo de blogguers de moda, que após visitarem fábricas de roupa em países asiáticos, voltaram indignados com as condições de trabalho que viram. A noticia correu mundo, tornou-se viral, mas depressa caiu no esquecimento. 
As montras são apelativas, os preços igualmente, e as pessoas têm que se vestir, não é? 

Contudo, as marcas sabem que os consumidores estão cada vez mais atentos ao ambiente e impacto que as indústrias têm nele. Escolher uma via que tenha isso em conta é marketing ético, e publicidade é publicidade!

Foi pioneira em 2013, a H&M, ao colocar contentores nas lojas para recolher roupa que os clientes já não usam. Isto deu qualquer coisa como 22 mil toneladas. Seguiu-se a Zara, nas principais cidades espanholas. 
A ideia é voltar a vestir a roupa (em lojas de segunda mão), transformar noutros produtos, e transformar em fibras têxteis para produção de novas peças de roupa. 
Quando 95% da roupa deitada ao lixo pode ser reciclada ou reaproveitada, este projecto torna-se gigantesco e com impacto ambiental digno de nota. 

O conceito das lojas ecoeficientes estende-se à baixa do consumo da água e electricidade, às emissões de dióxido de carbono ( na produção e transporte), às lixeiras e aterros ( destino final). As cadeias multinacionais pretendem implementar este conceito em todas as lojas por todo o mundo. É um investimento de milhões, que sem dúvida trará também às empresas dividendos, seja em forma de economia, seja pela publicidade. 
Posto isto, não deveríamos nós, consumidores, fazer o mesmo? Reduzir no consumo, fazer escolhas mais criteriosas, tendo em conta a produção dos materiais, preferir o Made in Portugal, pagar mais para guardar as boas peças mais tempo. Sentir que as corporações aliviam a nossa consciência, é resultado da publicidade; eles fazem a parte deles, nós fazemos a nossa. 

Via
The huffingtonpost
Revista Ponto Verde , Janeiro-Fevereiro-Março 2017

terça-feira, 28 de março de 2017

Inveja

Via

Contou-me uma senhora, que após uma sucessão estranha de eventos desagradeis e problemáticos ( já se deram conta que costumam vir por ondas?), decidiu consultar uma vidente. Não podia ser, tanto azar! Não era normal. 
Portanto, na falta de lógica, e ausência do racional, onde se procurarão razões que nos esclareçam? Onde a razão não precisa de existir per se, outros argumentos de ordem superior, sobrenatural digamos, preenchem as lacunas. 
O problema aqui era o habitual: mal de inveja. Muita energia negativa para cima da família, dos carros, da casa. Não que a família se ostente acima das outras, mas segundo as experts, não é preciso, há pessoas que possuem mau-olhado e nem sequer sabem. E por vezes, basta-lhes olhar para uma planta admirando-a, que a murcham. Uma simples planta!

Histórias destas ouvem-se de longe a longe. O que me espanta sempre, é não ter ainda ouvido contar que a vidente acuse de inveja quem a procura.   
E certamente, também não serei eu a fazer a acusação.  

sexta-feira, 24 de março de 2017

Hambúrguer de Couve-Flor



Aqui está uma forma de pôr crianças a comer couve-flor sem queixas, e muito pelo contrário, com grande satisfação. Que o diga o Duarte, que já não sendo propriamente criança, mas que nunca gostou deste legume, nem sequer sendo propriamente adepto de comida vegetariana, se rendeu a estes hambúrgueres incondicionalmente. 
De fácil e rápida confecção, são deliciosos!



Hambúrguer de Couve-Flor 
Ingredientes:
Um pé de couve-flor
Dois ovos
Uma chávena de queijo mozarela
Sal e pimenta

Como fazer:
Picar a couve-flor crua, no processador, até ficar com aspecto de farinha; juntar os ovos batidos, o queijo e o sal e pimenta a gosto. Envolver tudo.
Untar com azeite uma sertã anti-aderente e aquecer; colocar a massa obtida às colheradas ( com a colher do gelado), e alisar com ajuda da pá de cozinha, fazendo o formato de hambúrguer. Deixar fritar em lume moderado cerca de 5 minutos de cada lado. Colocar queijo num dos hambúrgueres, pôr o outro por cima e deixar derreter. 
Servir com uma salada, e molho de alho,  o nosso sabor favorito nestas coisas de hambúrgueres.