terça-feira, 30 de maio de 2017

"Não fomos projetados para comer carne"

Mestre De Rose

A qualidade do vídeo é péssima, porém o conteúdo é excelente, de forma que não resisto a partilhar. 
Para quem tem interesse em mudar os hábitos alimentares, e se preocupa com a saúde e bem-estar. 

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Caril de Coco Fácil #Vegetariana


De facto, é uma receita fácil, com os ingredientes da época, e muito boa! Engraçado como mesmo não gostando de coco, a Letícia devorou o prato dela...


Caril de Coco Fácil*

Ingredientes:
     1 colher de sopa de azeite
     1 cebola pequena picada
     4 dentes de alho picados
     1 colher de sopa de gengibre ralado fresco
     1/2 copo de floretes de brócolos
     1/2 xícara de cenoura cortada em cubos
     1/4 xícara de tomate em cubos
     1/3 xícara de ervilhas de quebrar (partidas aos bocados)
     1 colher de sopa de caril em pó
     Pitada de pimenta preta
     2 Latas de leite de coco
     1 chávena(240 ml) de caldo de vegetais
     Sal marinho e pimenta preta a gosto


 Quinoa de Coco
     1 lata de leite de coco
     1 chávena de quinoa branca


Como fazer:
Comece por lavar cuidadosamente a quinoa em água corrente, utilizando um coador de malha fina. Coloque a quinoa numa caçarola em fogo médio a torrar por 3 minutos. Adicione uma lata de leite de leite de coco e 1/2 copo de água. Deixe a ferver, reduza a temperatura, tape e deixe cozinhar cerca de 15 minutos ou até que a quinoa fique leve, fofa e o líquido absorvido. Reserve até servir.

   
Aqueça uma panela grande em lume médio e adicione uma colher de sopa de óleo de coco. Adicione a cebola, o alho, o gengibre, a cenoura, o tomate, os brócolos, uma pitada de sal e pimenta, e mexa.  
Cozinhe, mexendo delicadamente com frequência, até amolecer - cerca de 5 minutos.
   
Tempere com o caril em pó, pimenta preta, e junte o caldo de vegetais e o leite de coco; rectifique o sal e mexa.  
Deixe ferver, e em seguida reduza o lume ligeiramente, continuando a cozinhar cerca de 10 a 15 minutos.
    
Adicione as ervilhas de quebrar nos últimos 5 minutos para que não cozam demais.    
Prove e ajuste os temperos conforme necessário.
    
Sirva com a quinoa de coco e decore com sumo de limão. 

Outra alternativa é acompanhar com arroz integral e decorar com ervas aromáticas, como mangericão ou coentros. 

* Receita adaptada do Minimalist Baker

quarta-feira, 24 de maio de 2017

É para isto que os pais criam os filhos?

Via

Os excessos das Queimas das Fitas são sobejamente conhecidos por todos, mas penso que este ano a parada subiu mais ainda. Não apenas pela violação de uma jovem num autocarro, com assistência e filmagem, como pela divulgação do vídeo de outra jovem seminua, filmada sem saber. Mas há mais. Muito mais, para lá das ruas sujas de latas de cerveja e garrafas de outras bebidas alcoólicas.

O artigo da jornalista Laurinda Alves esclarece sobre mais práticas, consentidas é certo, durante a semana da Festa dos estudantes. O que se passa nos recintos, agora chamados Queimódromos ( equivalente em importância ao Sambódramo!), alcançou um nível para lá do despudor, o que ali se faz e promove é a devassidão nua e crua. 

Duvido que se os pais dos estudantes, ou mais exactamente das estudantes, soubessem o que acontece no queimódromo, as deixassem participar destes festejos. Mas não sabem, nem sequer fazem ideia da quantidade de álcool que os filhos bebem, pensando que é somente "beber um bocado a mais"! 
E essa é, provavelmente, a razão para a jovem violada não querer apresentar queixa; como explicar à família o estado de inconsciência, a ponto de ser abusada sexualmente, e nem ter notado?  
Lamento que a rapariga não tenha coragem para assumir a violação, e que permita ao violador ficar impune. E que consinta aos observadores passarem incólumes pelos pingos da chuva. Lamento por ela, que se deixe refém desta gente, que sabem quem são, e quem ela é.
Porque ela continua a ser vítima, e tem direito a justiça. Seria isso que os pais lhe diriam, ou indignados, a acusariam de se pôr a jeito?

Acredito que a maioria dos pais criam os filhos com grandes dificuldades, seja de que ordem for. Acredito que muitos estarão na Universidade com grande esforço, ou até sacrifício dos pais. E é para isto que eles lá estão? Para se "divertirem" sem regras, sem valores morais, e sem pudor? 
Os rapazes, perpetuando o papel de predadores, abusam, e as raparigas consentem em ser abusadas, crendo-se talvez, livres e modernas.

Os estudantes universitários já não são crianças a quem tudo se desculpa e justifica; são jovens, adultos, quase a entrar na mercado de trabalho. 
O meu choque e espanto só têm perguntas: - Que tipo de profissionais vão sair daqui? Que professores, engenheiros, médicos, advogados, enfermeiros, técnicos disto e daquilo? Que tipo de pessoas são estas? De que fibras são feitas? 
Aonde vai isto parar? Haverá um limite?
 

segunda-feira, 22 de maio de 2017

As Abelhas Solitárias

O meu gosto por abelhas tornou-se fascínio quando há alguns anos comecei a notar uma grande afluência deste insecto maravilhoso, no nosso jardim. O comportamento delas era muito misterioso, dedicavam-se a recortar pequenos pedaços de folha da glicínia ( pequenos mas maiores do que elas!), que transportavam, sabe Deus para onde, repetidamente. E esta actividade durava todo o dia, começando na Primavera e terminando no final do Verão.




De um ano para o outro, comecei a notar que as abelhas já não voavam para longe, mas continuando na intensa azáfama do corte de folhas, as carregavam através de pequenos buracos na terra, para dentro das diversas floreiras que temos no terraço.



Curiosa, tentei informar-me junto de apicultores, contactei inclusivamente uma associação, mas sempre sem sucesso; incrédulos, respondiam-me que eu estaria certamente a confundir abelhas com vespas. Ignoravam que cresci na aldeia e sei perfeitamente distinguir entre umas e outras.

Finalmente, encontrei a resposta através do Pinterest, onde umas casinhas muito simpáticas eram anunciadas. 
Pois então, estas abelhas que não vivem em colmeia, mas sozinhas debaixo da terra, são as Abelhas Solitárias. Não produzem mel, porém são grandes polinizadoras; elas despendem mais tempo de flor em flor, acumulando mais pólen nos seus corpos. Elas também contactam duas vezes mais do que as abelhas melífluas, com o estigma.
Como é conhecido, o número de abelhas tem vindo a decrescer nos últimos anos, de forma dramática, então o papel das abelhas solitárias adquire ainda maior importância. 

Recebe-las nos nossos jardins, proporcionando-lhes guarida segura é o mínimo que podemos fazer. De forma que este ano, resolvi incrementar a oferta de alojamento, e adquiri o chamado "Bee hotel". Ignoro se já estará a ser frequentado, talvez seja organizado demais... aguardemos.


E quem mais compartilha desta minha paixão? 


O Nico, outro grande observador das abelhas solitárias, que ao contrário da KitKat, ainda não percebeu que mais vale deixá-las sossegadas! 
Para mim, o zumbido das abelhas é um som magnífico, de forma que tê-las como habitantes regulares do nosso jardim é uma alegria que aguardo ansiosa, todas as Primaveras. E novamente elas chegaram!

terça-feira, 16 de maio de 2017

- Tchau, Shin Chan!




A polémica du jour: a série japonesa, Shin Chan, transmitida pelo canal Panda Biggs vai mudar de horário, para depois das 22.30, em consequência de uma cena considerada pornográfica e pedófila. Detalhes aqui. 
A série tem imensos fãs, que apreciam a personagem principal exactamente por ser disparatada e divertida. Os desenhos animados são transmitidos há muitos anos, e nunca algo de este tipo lhe foi apontado. Cá em casa os meus filhos nunca lhe dedicaram grande atenção (felizmente), e do pouco que eu vi, confesso que para além de a considerar pouco educativa, nunca vi nada comparável às actuais acusações. 

Acompanhar o que os filhos vêem de forma a permitir que assistam ao que consideramos adequado, torna-se tarefa impossível, dado que os pais não podem sentar-se no sofá a ver toda a televisão que os filhos vêem.
Porém, uma amostra analisada pelos pais, torna-se claramente insuficiente,  pois a qualquer altura, uma série que "aprovamos" exibe uma cena totalmente estapafúrdia, que obviamente condenamos.

Não são os imensos programas com conteúdos desadequados, violentos e de cariz sexual, transmitidos em horário nobre, sem a devida sinalização, que servem de justificação para cenas destas incluídas nos anime. Esses também estão a ser erradamente transmitidos, seja devido ao canal, ou horário. 
Não se trata de educar os filhos em redomas, porque isto é exactamente o contrário, atirá-los às feras.  Aceitar estas situações banalizando-as, é expor as crianças de forma inconsequente, ensinando-as a sujeitarem-se ao perigo, como algo normal. E isso é o que de facto me assombra, aqueles que deveriam estar vigilantes e proteger as crianças, já estão de tal forma comprometidos que simplesmente não vêem as implicações, nem consequências. E para eles, tudo isto não passa de um grande exagero!

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Ansiedade e Depressão - Doenças em alta?

Esta é uma daquelas histórias verídicas, o que a torna realmente interessante, e que recordo frequentemente. Aconteceu há alguns anos atrás, no início da recessão; depois de um congresso, uma certa delegada médica vangloriava-se da medicação anti-depressiva ter batidos todos os recordes de venda em Portugal e de liderar as mesmas a nível europeu. Passados um par de anos, essa mesma pessoa, que aparentemente tinha tudo para ser feliz, estava a tomar essa mesma medicação. Pois é, o Karma...

O facto é que um estudo realizado em 2016, por José Caldas de Almeida, presidente do Lisbon Institute of Global Mental Health, apresentou a evolução da saúde mental dos portugueses desde 2008 até 2015, concluindo que as doenças mentais ( depressão e ansiedade) atingem um terço da população, tendo passado de 19,8% em 2008 para 31,2% em 2015. Sendo que as mulheres são as mais afectadas por distúrbios de ansiedade, numa proporção de duas para um. 

As causas destas doenças podem ser psico-sociais, mas também biológicas e hormonais, no caso das mulheres.

De acordo com o psiquiatra Ricardo Reis Marques, o tratamento deve passar pela regularização do sono, prática de exercício físico, e meditação. Se for realmente grave, aconselha-se a "psicoterapia cognitiva comportamental", ou mindfulness. Apenas em último caso, falhando todos os outros, se recorre à medicação. 
 in revista Activa, Maio 2017 

Creio que se estas indicações fossem comuns na classe médica e assim aplicadas, a venda de fármacos não seria motivo de orgulho, para quem os vende. A saúde não deveria ser um negócio. E os doentes seriam tratados com responsabilidade, estando também implicados na sua própria cura.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Pense bem nas lutas que quer travar!


Contou que "nesse tempo os jovens tinham simpatia por tudo o que era suprimido pelo regime". Ser próximo da Igreja era uma espécie de protesto?
Sim, era um dos aspectos. O ateísmo era a religião do Estado, forçada pela violência. Por outro lado, havia uma verdadeira sede de profundidade espiritual e um desejo de beleza num socialismo cinzento. 
 Tomas Halík, teólogo católico, ordenado na clandestinidade, in revista Sábado, nr 626


Fez-me lembrar as lutas travadas na educação dos filhos, em questões que se engrandecem apenas porque são interditas. 
Alias, faz-me pensar naqueles adultos, a quem a palavra "obrigatoriedade" ou "interdição" faz despertar uma faceta revolucionária desconhecida. Escamoteiam a lógica, o bem que daí há-de vir, ou qualquer outro aspecto positivo, tudo porque a única resposta à "obrigatoriedade" ou "proibição" só poderá ser a insurreição.
E eu pergunto-me: - Demasiadas proibições na infância? Na adolescência? Arbitrariedade nessas proibições? 

Há lutas que não merecem ser travadas, sendo caprichos de quem se pensa autoridade, como acontece a muitos pais; "Pais impertinentes criam filhos desobedientes".
E outras que não merecem ser empreendidas, sendo apenas ajustes de contas pelo passado. 

 

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Dia da Mãe de Coração Cheio

O Sr. Buda não se importará de ter o pequeno quadro à sua frente, afinal é 💞
Há alguns anos atrás, estávamos a ver um telejornal ( ou parte) quando passou uma pequena reportagem sobre o Dia da Mãe, que seria celebrado nos dias seguintes. Dentre algumas mães que foram entrevistadas, uma delas respondeu, a propósito do presente prefeito, que esperava receber um ramo de flores e um perfume, ou uma jóia. Os meus filhos espantaram-se; acharam aquela mãe muito materialista, porque só desejava presentes comprados, e nem um sequer feito pelos filhos. 

É verdade que o consumismo em certos dias ganha fôlego, e o Dia da Mãe é mais um evento a juntar-se ao rol. Antecipadamente as montras são decoradas em sua função, a publicidade surge nas revistas e televisões, convencendo as pessoas que os filhos mais gratos, mais queridos e mais generosos são aqueles que mais gastam no presente. 

Francamente, nunca gostei muito dos presentes que os meus filhos me traziam da escola. Não passavam de trabalhos nos quais eles tinham participado; mas não estava ali a essência deles. Não se tinham lembrado do tema, não os tinham executados sozinhos. Agradecia contente, mas cá entre nós, nunca os apreciei de facto. 


Gosto destes feitos em casa, no quarto às escondidas, de inspiração própria e únicos. Surpreendem-me sempre e realmente não poderia desejar outros. 
Como o talento do Duarte para a pintura ou outros trabalhos manuais é reduzido, ficou-se por uma rosa, que me ofereceu dias antes, com receio de se esquecer do dia, disse-me. E ainda se gabou à irmã, que tinha sido o primeiro a oferecer-me o presente do dia da Mãe!

Passamos o dia muito bem, visitando o Green Weekend em Paredes de Coura, e fazendo um piquenique vegano improvisado, do qual toda a família participou. Paredes de Coura é uma pequena localidade tranquila e encantadora e o dia estava lindo. São estes os meus presentes preferidos.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Bolo de Cenoura com Cobertura de Chocolate #semaçúcar


O melhor bolo de Cenoura que já comemos. As tâmaras, em substituição do açúcar, alteram completamente a textura do bolo, tornando-o leve e fofo. Além disso, de confecção muito prática e rápida. 
Muito bom!
 

terça-feira, 2 de maio de 2017

Sucesso na Educação?

via Kindergarten: Holding Hands and Sticking Together

"Por vezes, as mentes mais brilhantes e inteligentes não brilham nos testes estandardizados porque eles não têm mentes estandardizadas. "

Um caminho único na Educação, obrigatório a todos, é injusto e desadequado. E a cada nova leva de gerações, isso se torna mais evidente e aflitivo.
Se os pais educam os filhos de forma diferente, porque reconhecem as suas particularidades e os respeitam como indivíduos únicos, por que não há-de a Escola fazer o mesmo? 
Por que dá trabalho? Por que vai revolucionar o sistema? Parece-me que é a única alternativa, vai ter que ser feito, mais tarde ou mais cedo, sendo que hoje já seria tarde. 
Este desfasamento entre a Escola do Séc.XIX, os professores do Séc.XX e os alunos do Séc.XXI está destinado a convergir. 
Pena é que, neste processo de negação, tantas gerações estejam a ser trucidadas pela obsoleta engrenagem, que deveria ter antes um papel absolutamente inverso.